Brava Gente Brasileira

Genealogia no Brasil   |   bravagentebrasileira.genea@gmail.com

Mapa do Site: navegação

Foto da família em toalhas!

Tenha um jogo de toalhas totalmente personalizado com a foto da sua família!   Você pode mandar imprimir  uma foto da família recente e/ou de seus ancestrais. Pode ter uma toalha com a foto de cada um de casa. O que você quiser!  Enxugarte

12 razões para genealogizar

  1. Validar  histórias de família — determinar se as histórias de família sobre os seus ancestrais são verdadeiras.
  2. Compreender um fato da História  — obter melhor compreensão do envolvimento de um ancestral em um fato histórico.
  3. Explorar a contribuição das famílias à construção do País — pesquisar a resiliência das famílias que sobreviveram às vicissitudes de guerra, imigração, pobreza ou escravidão; estudar o sucesso na integração além das fronteiras raciais ou nacionais; investigar conquistas empreendedoras: comerciais, agrícolas, educacionais, industriais etc.
                                                    Leia mais 

Aviso Importante

Os editores deste website não fazem pesquisa genealógica para terceiros. Mas têm muito prazer em compartilhar o que aprenderam ao longo de suas pesquisas dentro e fora da Internet. Daí a razão deste site!



Voltar a Home Page

O que é Genealogia?

Genealogia é o ramo da História que se dedica ao estudo das famílias, à sua origem, dinâmica e evolução, descrevendo a sucessão de gerações, em sentido ascendente ou descendente. Sempre que possível, o estudo traça os dados vitais e  as biografias dos seus membros. Portanto, Genealogia estuda a história das famílias.

Embora seja ciência auxiliar da História,  sua importância reside na descrição de indivíduos, independentemente de suas relevâncias.  Isso porque todos esses indivíduos construíram suas vidas inseridos na sociedade a que pertenciam e vivenciando a mentalidade de suas épocas.   


O que não é Genealogia............

Genealogia, enquanto estudo social,  não é investigação genética, não é ensaio de proselitismo religioso, não é descrição de mitos e não é foco
de arbitragem moral. É História das Famílias... 

Saiba mais 

Álbum de Família

Compartilhe e Interaja

     

Site premiado


Oportunidade


 *   *   *   




Dicas de Ocasião

Início >   Subsídios  > Nomes Antigos de Cidades do Sudeste:  SP - RJ - MF - ES

Nas suas pesquisas para apontamentos genealógicos, você certamente vai se deparar com nome de localidades de que nunca ouviu falar.  No Brasil, as cidades mudaram de nome muitas e muitas vezes. Essas mudanças obrigam o pesquisador a conhecer a legislação da época e os nomes das localidades.
Aqui, links para listas de nomes e cidades que mudaran de nome.    









O poeta e romancista Bernardo Guimarães
criou um engraçadíssimo poema sobre o nome de uma freguesia mineira

Parecer da Comissão de Estatísticaa respeito da Freguesia 
Madre-de-Deus-do-Angu
(*)

Bernardo Guimarães
(1825-1884)


Diga-me cá, meu compadre,
Se na sagrada escritura
Já encontrou, porventura,
Um Deus que tivesse madre?
Não pode ser o Deus-Padre,
Nem tão pouco o Filho-Deus;
Só se é o Espírito Santo
De que falam tais judeus.
Mas esse mesmo, entretanto,
De que agora assim se zomba,
Deve ser pombo, e não pomba,
Segundo os cálculos meus.
Para haver um Deus com madre,
Era preciso um Deus fêmea;
Mas isto é forte blasfêmia;
Que horroriza mesmo a um padre.  
Por mais que a heresia ladre,
Esse dogma tão cru,
— De um Deus de madre de angu 1, —
Não é obra de cristão,
E não passa de invenção
Dos filhos de Belzebu.
E, se há um Deus do Angu,
Pergunto: — Por que razão
Não há um Deus do Feijão,
Seja ele cozido ou cru?
De feijão se faz tutu  2,
Que não é mau bocadinho;
Mas não se seja mesquinho:
Como o feijão sem gordura
É coisa que não se atura
Deve haver Deus do Toicinho.  
Desta tríplice aliança
Nascerá uma trindade,
Com que toda a humanidade
Há de sempre encher a pança;
Porém, para segurança,
Como o angu é dura massa,
E o feijão nunca tem graça
Regado com água fria,
Venha para a companhia
Também um Deus da Cachaça.
Mas segundo a opinião
De uma minha comadre,
Nunca houve um Deus de madre,
Nem de angu, nem de feijão.
Tem ela toda a razão.
Pelos raciocínios seus,
Que são conforme aos meus,
Isto é questão de panela,
E Deus não deve entrar nela,
E nem ela entrar em Deus.
E, portanto, aqui vai uma emenda,
Que tudo remenda:
Vai aqui oferecida
Uma emenda supressiva:
Suprime a madre, que é viva,
Fica o angu, que é comida.
A Comissão — convencida
Pelos conselhos de um padre,
Que conversou com a comadre —
Propõe que, desde este dia,
Chame-se a tal freguesia
A do Angu de Deus, sem Madre.




Notas 
Nota I

(*)  Madre de Deus de Angu é a denominação antiga de um distrito, hoje Angustura, corruptela de Angostura, uma planta nativa da América do Sul. A cidade de Madre de Deus do Angu/Angustura  já pertenceu ao município de Leopoldina, MG, agora anexado à cidade de Além Paraíba, MG, da Zona da Mata mineira. 


Nota II

1: Angu — Massa consistente de farinha de milho (fubá), de mandioca ou de arroz, com água e sal, escaldada ao fogo. [Cf. polenta.] (Dicionário Aurélio)
2 Tutu — Feijão que, uma vez cozido e refogado, é engrossado com farinha de mandioca ou de milho, tomando consistência de pirão; tutu de feijão, ungui, ungüi. (Dicionário Aurélio)

Nota III

Por causa da Madre-de-Deus-do-Angu — escrita em 1865 e publicada só em 1883 —, B.G. foi criticado por autoridades e fiéis da Igreja Católica  que o acusaram de cometer heresias. Não gostaram, por exemplo, de "Para haver um Deus com madre/ Era preciso Deus femea /Mas isso é forte blasfêmia/ Que horroriza mesmo um padre".
E como horrorizou! (FG)




*