Brava Gente Brasileira

Genealogia no Brasil   |   bravagentebrasileira.genea@gmail.com

Mapa do Site: navegação

Foto da família em toalhas!

Tenha um jogo de toalhas totalmente personalizado com a foto da sua família!   Você pode mandar imprimir  uma foto da família recente e/ou de seus ancestrais. Pode ter uma toalha com a foto de cada um de casa. O que você quiser!  Enxugarte

12 razões para genealogizar

  1. Validar  histórias de família — determinar se as histórias de família sobre os seus ancestrais são verdadeiras.
  2. Compreender um fato da História  — obter melhor compreensão do envolvimento de um ancestral em um fato histórico.
  3. Explorar a contribuição das famílias à construção do País — pesquisar a resiliência das famílias que sobreviveram às vicissitudes de guerra, imigração, pobreza ou escravidão; estudar o sucesso na integração além das fronteiras raciais ou nacionais; investigar conquistas empreendedoras: comerciais, agrícolas, educacionais, industriais etc.
                                                    Leia mais 

Aviso Importante

Os editores deste website não fazem pesquisa genealógica para terceiros. Mas têm muito prazer em compartilhar o que aprenderam ao longo de suas pesquisas dentro e fora da Internet. Daí a razão deste site!



Voltar a Home Page

O que é Genealogia?

Genealogia é o ramo da História que se dedica ao estudo das famílias, à sua origem, dinâmica e evolução, descrevendo a sucessão de gerações, em sentido ascendente ou descendente. Sempre que possível, o estudo traça os dados vitais e  as biografias dos seus membros. Portanto, Genealogia estuda a história das famílias.

Embora seja ciência auxiliar da História,  sua importância reside na descrição de indivíduos, independentemente de suas relevâncias.  Isso porque todos esses indivíduos construíram suas vidas inseridos na sociedade a que pertenciam e vivenciando a mentalidade de suas épocas.   


O que não é Genealogia............

Genealogia, enquanto estudo social,  não é investigação genética, não é ensaio de proselitismo religioso, não é descrição de mitos e não é foco
de arbitragem moral. É História das Famílias... 

Saiba mais 

Álbum de Família

Compartilhe e Interaja

     

Site premiado


Oportunidade


 *   *   *   




Dicas de Ocasião

Início >  Sua Pesquisa > Genealogia no Ensino Fundamental 

No Ensino Médio,  a pesquisa genealógica assume importante papel de interação e inter-relação disciplinar.
Ela vai servir para o aluno estudar:

  • História (a família no contexto dos grandes ciclos da economia brasileira) 
  • Cidadania & Ética 
  • Biologia (na área de Genética)
  • Geografia (na área de demografia e economia)
  • Português (ortografia, semântica, estilos literários)

Há  escolas que inserem também a Matemática (progressões), Idiomas Estrangeiros e a Informática (uso de softwares que não editores de texto e planilhas).

O estudante do Ensino Médio pode encontrar aqui as melhores dicas para fazer um excelente trabalho de genealogia.


 

 
Primeira coisa: 



eça para os seus pais lhe mostrarem a sua certidão de nascimento.

2.
3. Basicamente, só com sua certidão, você monta a árvore genealógica mais simples que existe: você, seus pais e seus avós.
4. Veja a tabela abaixo
 .

Depois, pergunte a eles seus nomes completos, incluindo quaisquer sobrenomes que eles têm ou possam têm tido em seu passado, e que não aparecem
                 agora na sua certidão de nascimento.
                 Especialmente as mulheres costumam
                 mudar de sobrenome depois de se
                 casarem.

Pergunte a eles os locais e as datas de nascimento e de casamento. Pergunte os cartórios onde foram registrados e casados e as Igrejas (e cidades) onde foram batizados e onde se casaram.

Pergunte especialmente aos seus avós os nomes de seus pais e nomes de seus próprios avós. Também pergunte sobre quaisquer sobrenomes que eles possam ter
                 usado no passado e não usam mais. Isso
                 acontece geralmente com as mulheres
                 quando se casam e com descendentes de
                 imigrantes que têm duas ou várias grafias
                diferentes para os nomes.

Também as razões políticas fizeram com que sobrenomes antes usados fossem abandonados. Isso aconteceu entre os judeus, italianos e alemães. E com brasileiros e latinoamericanos
                  perseguidos por governos ditatoriais.  (Vale muito
                 também para refugiados do nazismo, 

Apelidos, nomes de guerra (usados nas Armas, na aviação e marinha comerciais), pseudônimos (escritores, jornalistas) ou nomes artísticos (plásticos, atores)    
                 também são importantes e devem ser
                 registrados.

Se os pais ou avós não se lembrarem, você pode pedir a eles que consultem sua própria certidão de nascimento para ajudá-lo em seu trabalho escolar.

Os avós muitas vezes sabem os locais e as datas de casamento de seus próprios pais. Confira se sabem.  

Mas, às vezes, muitos casais não eram efetivamente casados ou se casaram depois de uma gravidez. Antigamente, nos lugares mais distantes, as
                 pessoas só se casavam quando aparecia
                 um padre ou um juiz-de-paz.

Por isso é comum os avós dizerem que "não se lembram" da data ou que não sabem. Eles não agem assim porque querem deliberadamente mentir, mas
                  porque estão preservando valores  
                  importantes para eles. 

Explique a eles que para você é mais importante ter os dados corretos a ter informações distorcidas. E, especialmente, que você não está julgando ninguém. Seja muito delicado.   
                     Não deixe de ler o artigo "Questões delicadas"!


Pergunte ainda se cresceram na mesma cidade onde nasceram. Para onde se mudaram? Por quê?



Pergunte a origem da família. Se descendem de estrangeiros? Quando vieram para o nosso país?   Em que condição vieram esses ancestrais?


Todos são deste Estado ou alguém veio de outra região ou Estado?
A família mudou-se uma única vez ou várias vezes? Por quê?


Pergunte  aos entrevistados se gostavam do lugar onde nasceram ou cresceram e as razões para gostarem ou não daquela cidade, aldeia ou lugarejo.

 
Em que  espécie de casa o entrevistado vivia quando criança? Como se cozinhava? Havia banheiros? 
Como era a vizinhança?
Indague se a vida era boa quando criança e adolescente? Por que? 
Pergunte o quê os pais e avós estudaram. Até que grau ou que curso. Porque escolheram essa área? 
Pergunte aos avós se os pais e avós deles estudaram. Quais as profissões, do que viviam.
Pergunte se alguém teve atividade política ou comunitária, cargos públicos, destaque na vida social. 

Nas famílias com ascendência de imigrantes, é importante perguntar não apenas o país de origem, mas a cidade, a região e as causas que levaram à imigração. 
Pergunte também sobre as tradições, música e culinária do país de origem de seus antepassados.