Brava Gente Brasileira

Genealogia no Brasil   |   bravagentebrasileira.genea@gmail.com

Mapa do Site: navegação

Foto da família em toalhas!

Tenha um jogo de toalhas totalmente personalizado com a foto da sua família!   Você pode mandar imprimir  uma foto da família recente e/ou de seus ancestrais. Pode ter uma toalha com a foto de cada um de casa. O que você quiser!  Enxugarte

12 razões para genealogizar

  1. Validar  histórias de família — determinar se as histórias de família sobre os seus ancestrais são verdadeiras.
  2. Compreender um fato da História  — obter melhor compreensão do envolvimento de um ancestral em um fato histórico.
  3. Explorar a contribuição das famílias à construção do País — pesquisar a resiliência das famílias que sobreviveram às vicissitudes de guerra, imigração, pobreza ou escravidão; estudar o sucesso na integração além das fronteiras raciais ou nacionais; investigar conquistas empreendedoras: comerciais, agrícolas, educacionais, industriais etc.
                                                    Leia mais 

Aviso Importante

Os editores deste website não fazem pesquisa genealógica para terceiros. Mas têm muito prazer em compartilhar o que aprenderam ao longo de suas pesquisas dentro e fora da Internet. Daí a razão deste site!



Voltar a Home Page

O que é Genealogia?

Genealogia é o ramo da História que se dedica ao estudo das famílias, à sua origem, dinâmica e evolução, descrevendo a sucessão de gerações, em sentido ascendente ou descendente. Sempre que possível, o estudo traça os dados vitais e  as biografias dos seus membros. Portanto, Genealogia estuda a história das famílias.

Embora seja ciência auxiliar da História,  sua importância reside na descrição de indivíduos, independentemente de suas relevâncias.  Isso porque todos esses indivíduos construíram suas vidas inseridos na sociedade a que pertenciam e vivenciando a mentalidade de suas épocas.   


O que não é Genealogia............

Genealogia, enquanto estudo social,  não é investigação genética, não é ensaio de proselitismo religioso, não é descrição de mitos e não é foco
de arbitragem moral. É História das Famílias... 

Saiba mais 

Álbum de Família

Compartilhe e Interaja

     

Site premiado


Oportunidade


 *   *   *   




Dicas de Ocasião

Início >  Brava Gente Brasileira (o hino)

 Longe vá temor servil

Brava Gente Brasileira é um dos versos que o jornalista Evaristo da Veiga escreveu para a letra do Hino à Independência, que ganhou música do imperador Dom Pedro I e que foi, até 1890, o hino nacional brasileiro.

O título deste website é uma homenagem à labuta de todos os nossos ancestrais que direta ou indiretamente ajudaram a construir o Brasil. E rememora o valor de todos os brasileiros, que bravamente permanecem em luta todos os dias.



Música: D. Pedro I

Letra:    Evaristo da Veiga 

Hino à Independência


I

Já podeis da Pátria, filhos, 

Ver contente a mãe gentil;

Já raiou a liberdade

Já raiou a liberdade

No horizonte do Brasil  

Já raiou a liberdade,

Já raiou a liberdade

no horizonte do Brasil! 


Coro:

Brava  gente, brasileira,  

Longe vá temor servil 

Ou ficar a Pátria livre  

Ou morrer pelo Brasil!  

Ou ficar a Pátria livre

Ou morrer pelo Brasil!


III


Não temais ímpias falanges

Que apresentem, face hostil;

Vossos peitos, vossos braços 

São muralhas do Brasil; 

Vossos peitos, vossos braços 

Vossos peitos, vossos braços 

São muralhas do Brasil.



Coro:

Brava  gente, brasileira, 

Longe vá temor servil 

Ou ficar a Pátria livre  

Ou morrer pelo Brasil!  

Ou ficar a Pátria livre

Ou morrer pelo Brasil! 





D. Pedro I compõe o Hino à Independência
título oficial do quadro: Primeiros Sons do Hino Nacional 


Óleo sobre tela (2,50 m x 1,90 m), do pintor carioca Augusto Bracet (1881-1960),  retratando D. Pedro I ao piano, compondo os acordes do Hino da Independência.
A  obra foi pintada por encomenda do Governo Federal, em 1922, por ocasião das comemorações do Centenário da Independência.
Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, RJ 
Setor de Pinturas Históricas
foto de reprodução do quadro: Rômulo Fialdini
                                           
  no livro "Museu de História Nacional"